18 fevereiro 2013

O passado possui um rosto

Houve-se falar em muitos casos de abandono de idosos pelas suas próprias famílias em abrigos ou asilos muitas das vezes apresentando condições precárias onde não há higiene, boa alimentação, lazer, saúde e nestes locais muitos idosos ficam anos esquecidos até a morte.
É considerado idoso todo cidadão (homem ou mulher) com idade acima de 60 (sessenta) anos.
Os idosos já somam mais de 9% de toda nossa população e em face do aumento de expectativa de vida dos brasileiros, somado à redução do índice de natalidade, há uma tendência, num futuro próximo, do número de idosos ser equivalente ao de jovens.
Os direitos do idoso estão basicamente garantidos no chamado Estatuto do
Idoso (Lei 10.741/2003), havendo leis estaduais e municipais também.
O estatuto do idoso trata-se da Lei 10.741/2003, que amplia os direitos dos cidadãos com idade acima de 60 anos. Mais abrangente que a Política Nacional do Idoso (1994), que dava garantias à terceira idade, o Estatuto institui penas severas para quem desrespeitar ou abandonar cidadãos da terceira idade.
Os Direitos assegurados no Estatuto são relacionados basicamente à Saúde, ao Transporte Público, ao Trabalho, à Violência e Abandono.
Todos os homens ou mulheres que hoje são idosos no passado foram pessoas que trabalharam ocupando várias áreas no mercado de trabalho no país, relacionaram-se com pessoas na sociedade e tiveram suas famílias, filhos, em fim, foram cidadãos comuns interagidos na sociedade de sua época.
Neste artigo quero deixar bem explicito que não estou generalizando os motivos pelos quais há tantos abandonos de idosos, mas apontando alguns casos onde alguns idosos são completamente esquecidos por suas famílias ou amigos nos abrigos ou asilos pelo o que eles próprios cometeram no passado contra essas pessoas.
Por mais que exista o estatuto do idoso que assegura o direito a saúde, transporte público, ao trabalho e pune quem abandona cidadãos da terceira idade não existe nenhuma lei que poderá mudar o que aconteceu no passado onde esses mesmos cidadãos que hoje são idosos envolveram-se criando inimizades, desafetos, dor as suas famílias, crimes praticados contra pessoas na sociedade ou contra os próprios membros das suas famílias.
Estava passando em frente a um asilo e observei alguns idosos sentados e pensei comigo:
- Onde estão seus filhos, netos, irmãos, sobrinhos ou alguém para estar com eles?  
Olhando um rosto de um senhor sentando no banco daquele asilo que parecia-me indefeso, frágil ou popularmente como muitos dizem “velhinho coitadinho” minha imaginação fez com que eu regredisse o tempo e vi aquele mesmo rosto idoso tão jovem quanto o meu e logo pensei:
- Quem foi ele? O que ele fazia? Será que ele amava sua família e filhos? Será que ele já tirou a vida de um inocente? Poderia este homem ter estuprado uma mulher? Por que alguém o abandonaria aqui?
Essas foram às perguntas que ficaram em minha mente naquele momento e refleti comigo mesmo quais os motivos que levariam-me a abandonar o meu pai.
O meu pai hoje está com 60 anos de idade é um homem trabalhador que cuidou de mim, das minha três irmãs dando a todos nós os recursos necessário para que tivéssemos educação, saúde, moradia e o principal de todos o meu pai amou agente e até hoje nosso “velho”, como gosto de brincar com ele, dá-nos todo amor como também amamos nosso pai e eu jamais poderia abandonar nestes locais de esquecimento alguém que cuidou de mim não porque está no estatuto do idoso, mas porque jamais abandonaria alguém que implantou a semente do amor e do respeito em nossos corações.
Navegando pela internet li sobre casos de homens que estupraram suas filhas, assassinaram sua mulher, de uma mãe que jogou sua própria filha no lago em Belo Horizonte como vi na TV, mães e pais que torturaram seus filhos e submeteram eles ao trabalho infantil fica a pergunta:
Idosos também cometem crimes.
- Homens e mulheres que cometeram crimes que chocaram a sociedade e agora estão idosos seriam amados por seus filhos, esposas, maridos, parentes e amigos?
A resposta é simplesmente não, existem erros imperdoáveis, falhas que não voltam atrás e uma vida inteira vivida de maneira imprudente nunca poderá ser consertada nem com palavras, lágrimas ou até mesmo implorar por perdão.
Como disse Chico Xavier:

“Deus nos concede, a cada dia, uma página de vida nova no livro do tempo. Aquilo que colocarmos nela, corre por nossa conta."

Se estes idosos que hoje estão abandonados por terem sido pessoas difíceis e complicadas no passado se tivessem colocado nas páginas da sua vida respeito, amor, compaixão e amizade com certeza hoje estariam com seus entes queridos recebendo tudo de volta sem medida por todos aqueles que eles amaram no passando plantando a semente do amor.
É triste ver qualquer ser humano abandonado, mas antes das pessoas abandonarem estes cidadãos eles primeiramente abandonaram a si próprios por terem cometidos crueldades com seus familiares e as pessoas no passado.

Escrito por:
Daniel Guimarães Jr.

Nenhum comentário: